Imprensa

27/11/2018

Centro Infantil Boldrini inaugura maior Centro de Pesquisa em oncologia pediátrica da América Latina

Neste dia 27 de novembro, Dia Nacional do Combate ao Câncer, o Centro Infantil Boldrini, hospital filantrópico que é referência em tratamento de doenças onco-hematológicas pediátricas, pesquisas científicas e capacitação profissional na América Latina, inaugura o Centro de Pesquisa Boldrini, maior centro de pesquisa latino-americano com foco em câncer pediátrico.


Com 40 anos de história, cerca de 10 mil pacientes com câncer atendidos e índices atuais de cura entre 70% e 80%, níveis alcançados nos principais centros internacionais, o hospital reforça seu protagonismo no tratamento do câncer ao construir um Centro de Pesquisa, com o intuito de fomentar o avanço científico e tecnológico para combate ao câncer da criança e do adolescente. “Além de ampliar e modernizar a infraestrutura laboratorial que já existe no hospital, o Centro de Pesquisa terá por finalidade propiciar um espaço de intercâmbio e cooperação científica na área, com capacidade de compartilhamento entre diversas instituições de pesquisa nacionais e internacionais e abrangência ainda inexistente no Brasil”, explica Silvia Brandalise, presidente da Instituição.


A evolução dos resultados de tratamento de câncer pediátrico obtidos no Boldrini ao longo das quatro décadas de atuação evidencia a importância do investimento em pesquisa. Na primeira década após a fundação da instituição (1978), o índice de mortalidade era de 52%; nos dez anos seguintes, esse número baixou para 37%, sendo reduzido para 31% na década posterior e alcançando a taxa de 21% após 2008¹. Esta evolução coloca o Boldrini entre os principais centros de excelência na América Latina.


A construção do Centro de Pesquisa Boldrini teve início em 2014 e contou com investimento de R$ 50 milhões, oriundos de recursos do Ministério Público do Trabalho, provenientes da indenização caso Shell-Basf, cerca de R$ 700 mil do Instituto Ronald McDonald, para produção do projeto básico/executivo e aquisição de equipamentos para dois laboratórios; e com apoio das empresas parceiras.


 

Agradecimento ao Ministério Público do Trabalho pelos investimentos realizados no Centro de Pesquisa Boldrini (Crédito da foto: Matheus Arruda)


Atualmente, a maior parte das pesquisas tem focado no câncer do adulto, o que consequentemente leva ao atraso na aplicação de novos conhecimentos e terapias alvo na oncologia pediátrica – daí a importância de um centro voltado para a área. “Nosso objetivo é mudar esse cenário, traduzindo esforços em benefícios para os pacientes pediátricos, bem como o fomento para iniciativas nacionais de produção de novos medicamentos contra o câncer da criança. O Centro de Pesquisa Boldrini está apto a ser protagonista nas diferentes etapas necessárias ao processo de inovação e desenvolvimento de produtos. Além disso, a proximidade dos laboratórios de pesquisa com o local onde se desenvolvem as atividades clínicas (Centro Infantil Boldrini), coloca a estrutura em situação privilegiada para a realização de estudos clínicos”, complementa Dra. Silvia Brandalise.


O Centro de Pesquisa Boldrini conta com cerca de 5 mil metros quadrados de área construída, que abrigarão laboratórios com tecnologia de ponta, para aumentar a produção e disseminação de conhecimentos nas áreas de epidemiologia e da biologia molecular e celular do câncer pediátrico.  ”A ideia é criar um ambiente de trabalho capaz de absorver os conhecimentos científicos, em continuo diálogo com a equipe médica, de modo a estimular ambos os lados a perceberem e criarem novas abordagens diagnósticas e de tratamento dos pacientes” diz o Dr. José Andrés Yunes.


Crédito da foto: Matheus Arruda

Nos países em desenvolvimento, como o Brasil, o incentivo à pesquisa é sobretudo focado no doutorado. Posteriormente, os pós-graduandos de maior excelência procuram inserção nos grandes laboratórios e universidades internacionais e frequentemente os perdemos, porque não oferecemos fácil assimilação, seja no ambiente acadêmico, seja na indústria. O Centro de Pesquisa Boldrini terá como uma de suas metas primordiais contribuir para a atração e retenção de talentos interessados na investigação do câncer da criança, revertendo uma tendência já estabelecida de perda de pesquisadores promissores, a qual é altamente corrosiva para a consolidação da ciência e tecnologia nacionais. O Centro de Pesquisa criará seu próprio programa de suporte ao pós-doutorado e Jovens Pesquisadores, em colaboração com Agências Nacionais e Internacionais de fomento. Estima-se que o Centro acolha em seu pleno funcionamento cerca de 200 profissionais, dentre eles pesquisadores principais, jovens pesquisadores, pós-doutorandos, doutorandos, mestrandos e técnicos de nível superior.  


“As instalações físicas para o trabalho em sistema GMP (Good Manufacturing Practices) serão um aspecto importante do Centro de Pesquisa Boldrini, com a perspectiva de implementação futura de ensaios clínicos de fase I/II de terapias gênicas e celulares de última geração. É possível, por exemplo, modificar geneticamente o sistema imune dos pacientes, de forma a torná-lo capaz de eliminar as células tumorais. Usando esta abordagem em alguns centros americanos e europeus, tem sido alcançada a cura de crianças com leucemia resistente ao tratamento quimioterápico, através da terapia com linfócitos modificados do próprio paciente, via inserção de genes que produzem receptores ‘antileucemia’. Todavia, o número de pacientes tratados em todo o mundo não passa de algumas centenas, porque este tipo de intervenção é ainda muito caro e complexo. Ademais, há pouquíssimas instituições que possuem instalações adequadas para esta modalidade de imunoterapia e é muito difícil montar as equipes com a expertise multidisciplinar altamente especializada necessária à sua implementação. O Centro de Pesquisa Boldrini terá tanto as instalações, quanto a capacidade de formar uma equipe com expertise de ponta, que nos permitam mover gradualmente na direção deste novo tipo de medicina molecular” diz o Dr. Pedro O. de Campos Lima.


Dra. Silvia Brandalise, presidente do Centro Infantil Boldrini ladeada por Maju e Ana Laura, pacientes do Boldrini (Crédito da foto: Matheus Arruda)


O que o Centro de Pesquisa Boldrini tem a oferecer:


Alunos pesquisadores do Centro de Pesquisa Boldrini (Crédito da foto: Matheus Arruda) 

 Embasamento para a criação do Centro de Pesquisa Boldrini

O Centro Infantil Boldrini possui um histórico de seriedade e respeito da comunidade médica e científica nacional e internacional. Os números e conquistas impressionam. Ao longo de sua história, o Boldrini já atendeu cerca de 10 mil pacientes encaminhados com a suspeita ou o diagnóstico de câncer. Destes, cerca de 6 mil são sobreviventes e continuam em acompanhamento.


Considerando os tratamentos de tumores malignos, foram 8 mil casos, dos quais 6 mil alcançaram a cura, gerando um índice de cerca de 68% de sobrevivência a longo prazo. Vale destacar que, ao longo das quatro décadas de atuação, houve significativa redução das taxas de mortalidade, colocando os resultados alcançados no Boldrini muito próximos ao conquistados nos maiores centros internacionais. 


Entre os destaques da atuação do hospital, está sua liderança no GBTLI (Grupo Brasileiro de Tratamento de Leucemia Linfoide Aguda da Criança). O Boldrini fundou o Grupo em 1979 e, desde então, coordenou seus estudos clínicos prospectivos em leucemia (LLA-80, LLA-82, LLA-85, LLA-93, LLA-99 e LLA-2009), desenvolvidos em diversas instituições do país.


Para se ter uma ideia, antes de 1978, as chances de cura da LLA estavam em torno de 5%. Com o estudo clínica LLA-80, as taxas de sobrevida em 5 anos resultaram em 30%, acrescendo progressivamente, nos estudos subsequentes, para 70-80%. É notável que a atuação e liderança do Boldrini estimulou e propiciou, em nível nacional, a capacitação e treinamento de profissionais de diferentes estados, nas novas tecnologias de diagnóstico e tratamento da leucemia da criança.


Atualmente, o Boldrini é o único representante do Brasil em Estudo Epidemiológico sobre o Meio Ambiente e o Câncer da Criança, a convite do ICCCC (International Chilhood Cancer Cohort Consortium)/WHO, para, ao lado de vários outros países, buscar fatores relacionados ao desenvolvimento do câncer na criança.


Para alcançar esse patamar, trabalham nas instalações do Centro Infantil Boldrini (que tem 130 mil metros quadrados de área), 75 médicos, 684 profissionais multidisciplinares e cerca de 500 voluntários.


A complexa estrutura do Centro Infantil Boldrini destaca-se não só pela alta tecnologia dos laboratórios de hematologia, genética e biologia molecular, dos serviços de imagem, de radioterapia, quimioterapia, e reabilitação, mas pela atenção e cuidado com que foi construída, sempre pensando no bem-estar dos pacientes. Os 77 leitos da internação constituem modelo arquitetônico modulado e funcional, que privilegia o conforto dos pacientes e acompanhantes. Cada unidade da internação possui nove quartos com banheiro privativo tanto para paciente quanto para o acompanhante, dispostos de forma circular, ao redor da enfermaria, para acompanhamento em tempo integral. Oito deles são de terapia intensiva.


Capacitação profissional - Nos últimos dez anos, o Boldrini contribuiu com a capacitação de 332 profissionais, em atividades de estágio, residência médica, mestrado, doutorado, pós-doutorado e aprimoramento profissional, nas áreas de hematologia e oncologia pediátrica; clínica científica, radiologia, radioterapia, reabilitação, anatomia e patologia.


O hospital recebe, adicionalmente, pós-graduandos das áreas de enfermagem, psicologia, serviço social, nutrição, biologia, biomedicina e física, para aprimoramento nas áreas de atuação do Boldrini.


Há cerca de cinco anos, o Boldrini criou o PEOp (Programa de Ensino de Oncologia Pediátrica), voltado para alunos da graduação das áreas de saúde, com duração de seis semanas, em regime de tempo integral, realizado exclusivamente durante o período de férias. A finalidade deste estágio é introduzir os alunos nas áreas de diagnóstico relacionadas ao câncer (imagem, imunologia, genética, epidemiologia, anatomia patológica, hematologia e Biologia Molecular). O contato com estas áreas de diagnóstico lhes propicia o desenvolvimento do senso crítico, estimulando-os para a iniciação científica. Até o momento, 47 alunos participaram do Programa, sendo alguns deles premiados nacional e internacionalmente por seus estudos.


Recursos Financeiros – O Boldrini atende 80% dos pacientes via SUS e 20% por meio de convênios privados. Os atendimentos do SUS geram 20% da receita; os convênios, 30%; os 50% restantes são oriundos de doações de pessoas físicas ou jurídicas.


Considerações Finais – O crescimento do Boldrini aconteceu de maneira natural e é assim que vemos o futuro da instituição. Um desenvolvimento firmado com a simbiose entre técnica e paixão. “Apesar da escassez de recursos para pesquisa no Brasil, consonante com as dificuldades econômicas, sociais e políticas do momento pelo qual passa o país, conseguimos avançar. Desejamos que o Boldrini continue sendo a instituição que privilegia a criança e o adolescente, proporcionando-lhes acolhimento humanizado, integral, capaz de proporcionar desenvolvimento físico, mental e social, com qualidade de vida. Nossos pequenos doentes merecem atenção e carinho”, finaliza Dra. Silvia.


________________________

¹ CENTRO INFANTIL BOLDRINI – TAXA DE MORTALIDADE DO CÂNCER PEDIÁTRICO POR PERÍODOS